29º DOMINGO DO TEMPO COMUM: A Alegria do Evangelho!

17 Out

29º DOMINGO DO TEMPO COMUM: A Alegria do Evangelho!

Neste domingo em que a Igreja, no mundo inteiro, lembra da missão que Jesus confiou-nos, como membros de sua Igreja, de transformar o mundo pelo Evangelho, o Papa Francisco nos convida: "Não deixemos que nos roubem a alegria do Evangelho". O Evangelho nos lembra que Deus criou este mundo como um imenso jardim onde todos nós encontramos um lugar para morar, e para todos vivermos felizes. Plantou uma infinidade de plantas e de árvores para alegrar a nossa vista, alimentar-nos com os seus frutos, purificar o ar que respiramos e acolher a água que nos manda para regar a terra, conservá-la em suas raízes, e enriquecê-la com os minérios da terra para recebê-la depois enriquecida através dos mananciais e dos rios. Esta terra nos daria também os alimentos necessários para o sustento de todos. Desfrutaríamos ainda da presença dos animais, das aves, e dos peixes que encontrariam neste ambiente sua morada e condições para alegrar a nossa vida. 

 

Neste jardim, Deus colocou-nos com a responsabilidade de cuidar bem dele, para descobrirmos a alegria de viver. Ele não deu este jardim a ninguém, mas o colocou a serviço de todos, para que, contemplando o que Ele criou para alegria de todos, tivéssemos oportunidade de apreciar o que Ele criou para felicidade de cada um de nós. Como é sublime apreciar o mundo que Deus criou, e ter a certeza de que Ele criou tudo isto para alegrar a vida de cada um de nós. Aqui podemos aplicar as palavras sábias de uma pessoa muito humilde que disse: "Quem têm um palmo de terra só têm um palmo de terra, quem não têm nada o mundo inteiro é dele." 


Quando entrou em nós o vírus do egoísmo acabou a nossa felicidade. O jardim imenso criado por Deus ficou reduzido naquele pedacinho que imaginamos termos adquirido, e todas as outras coisas ficaram neste tamanho. Por isso, nós nos apoderamos de um pedacinho do grande jardim criado por Deus e nos julgamos com direito de acabar com todas as plantas e arrancar todas as árvores, sem perceber de que estamos com tudo o que purifica o ar que respiramos, todas as fontes que nos ofereciam água para beber, alimentar os nossos rios secaram, e até os peixes, os animais e os pássaros já desapareceram. 


Nós ficamos com as conseqüências: Respirar ar poluído, cidades inteiras que têm dificuldade em encontrar água suficiente para atender as necessidades do povo, a pouca chuva que cai só lava a terra porque não há nada que a assegure para regá-Ia, ativar as fontes e alimentar os rios, e, quando chove ainda causa estragos onde as águas se acumulam. 

 

A Palavra de Deus deste domingo, nos fala da bondade de Deus, lembrando-nos pelo profeta Isaías: "Eu sou o Senhor, não há outro". São Paulo afirma que nós somos os escolhidos para dar testemunho da nossa fé, não só com palavras, mas com o nosso exemplo. E Jesus responde aos fariseus que querem saber se devem pagar o imposto a césar dizendo: "Daí a César o que é de César e a Deus o que é de Deus"

 

Este mesmo conselho Jesus repete para cada um de nós que reclamamos porque faz calor e porque não chove: Como respeitamos as coisas que Deus fez para nós, e para que todos tenhamos um ambiente mais agradável? Temos o que fizemos. 

 

Monsenhor Antonio